quinta-feira, 11 de junho de 2015

Cora Coralina... Inspiração para Todos os Dias

Não cheguei a contar para vocês da minha nova e incrível inspiração encontrada no ultimo mês. O nome dela é conhecido e quase todo brasileiro já leu algum trecho de suas poesias espalhadas por esse mundo virtual. A encantadora Cora Coralina!
Confesso que eu era como muitos de nós e só a conhecia de "ouvir falar", nunca me informei muito sobre suas obras e sobre sua vida. Mas também, como os que buscam conhecê-la um pouco mais a fundo, eu fiquei irremediavelmente apaixonada por esta mulher, querendo ler suas poesias, contos infantis e biografia.




















Ela foi quase tudo!! Algumas das atribuições são: Doceira, poetisa, ensaísta, jornalista, empenhada nas questões politicas, livre de preconceitos e dedicada ao amor ao outro.
E eu que não sou nem um décimo das atribuições que ela possuía, mas que amo cozinhar e escrever, me senti identificada na pessoa da Cora, que para mim mais parece uma avozinha fofa que mora muito distante da minha casa, mas que manda seus recados para que eu nunca desista de sonhar meus singelos sonhos (loucura para muitos...uuuuhh)


Capa do livro que reúne poemas "de comer" da poeta e doceira Cora Coralina


Sou mais doceira e cozinheira
do que escritora, sendo a culinária 
a mais nobre de todas as Artes:
objetiva, concreta, jamais abstrata
a que está ligada à vida e 
à saúde humana.

(trecho do poema: Cora Coralina, Quem É Você?)












Bem, e inspirada pelo encontro promovido pelo Bola de Meia, "Chá com Cora", onde eu estive presente com meus humildes docinhos, surgiu um poeminha que eu não poderia deixar de compartilhar com vocês.
Mas antes de apresentá-lo aqui, eu também não poderia deixar de agradecer ao privilégio de ter ouvido a minha querida Giselle Lourenço lendo para nós em grande estilo a obra Meninos Verdes. Obra esta que indico que seja lida para e por todas as crianças desse nosso Brasil. Por ser lindamente enriquecedora merece e deveria ser acolhida e apoiada por pais e educadores.




Comida ou Palavras?

Quando eu penso na comida
Também penso nas palavras
Qual amor me vem primeiro?
O caderno ou as batatas?

Tem panela, tem fogão
Tem lápis, tem borrão
Com efeito e sentimento
Vou cozinhando o que escrevo.

Cada palavra vira comida
Cada degustação gera palavras
No amor por essa grande vida
Cozinho palavras para ser amada.

Será que me divido e amo tudo?
Ou será que não amo nada?
Na panela da escrita
Escrevo comida e isso me basta.

Por Patrícia Queiroz


Nenhum comentário:

Postar um comentário

A Casa Azul deseja que você se sinta sempre em casa, por isso sua opnião é muito importante! Deixe seu comentário.

E antes de ir, aceita um biscoito?!!